Independência do Brasil – Informações

 independencia 300x253 Independência do Brasil   Resumo, O que foi, Conclusão

Muitas vezes, os eventos históricos são mal compreendidos. Alguns são mais importantes do que realmente parecem ser, enquanto outros que possuem caráter altamente famoso não passam de exageros e histórias muito mal contados. É preciso saber discernir uma coisa da outra e olhar com uma ampla visão, abrangendo todos os lados, para dizer se algo foi ou não bom ou ruim, ou se teve alguma diferença característica na evolução da sociedade e do aspecto cultural e econômico das pessoas.

Nesse artigo, o assunto é a Independência do Brasil, fato lembrado e reconhecido no Brasil inteiro como um dia decisivo, de vasta importância e comemorado até os dias atuais.

A independência do nosso país marca o fim do domínio português e a liberdade política brasileira, por não depender mais de outro país. Apesar de muitas outras tentativas de libertação terem falhado, esse foi o processo decisivo.

No dia 9 de janeiro de 1822, D. Pedro I recebeu uma carta de Lisboa. O bilhete exigia seu retorno a Portugal, com o objetivo de colonizar o Brasil novamente, o que era impedido com a presença do príncipe no país. O mesmo respondeu que não iria voltar a Portugal, optando por ficar no Brasil. Esse dia ficou conhecido como o Dia do Fico.

Depois desse dia, D. Pedro I começou a tomar certas medidas que precediam a independência do país. Ordenou que as tropas de Portugal voltassem para lá, convocou uma Assembléia Constituinte e determinou que nenhuma lei determinada por Portugal poderia ser aprovada sem o seu consentimento. O príncipe também tomou várias outras providências, preparando o Brasil para a autonomia política.

No dia sete de setembro, quando recebeu uma nova carta de Portugal, anulando a Assembléia e exigindo sua volta para o local, D. Pedro I parou próximo ao riacho do Ipiranga, em São Paulo, levantou a espada e bradou a famosa frase ‘Independência ou Morte!’ .

Apesar da importância histórica, o fato só beneficiou a parte elitista da população. Os pobres não entenderam o processo, pois não trouxe mudanças sociais ao Brasil.